Grupo de Política Internacional

Europa das Ideias
18
Mai 09

- A paz é o elemento fundamental da União Europeia.

- A prioridade de alargamento da Europa devia ser os Balcãs. Não podemos deixar a Servia sozinha.

- Sou um defensor do modelo social europeu. Não do modelo socialista...

- O Tratado de Nice foi um erro. Não teria avançado para um alargamento tão rápido. Teria feito um princípio de admissão individual com um apoio financeiro muito mais intensivo aos países candidatos até que reunissem as condições para entrar na União.

- O Tratado de Lisboa pode atingir alguma flexibilidade: há melhorias em termos democráticos e de capacidade de decisão da UE.

- Defendo a transformação do Conselho Europeu num Senado (uma espécie de câmara alta).

- A partir do momento em que se abriram negociações com a Turquia estas devem desenvolver-se de boa-fé, ou seja, para possibilitar a entrada da Turquia desde que reúna as condições necessárias.

- Neste momento a Turquia está muito longe de preencher os requisitos de entrada na U.E., nomeadamente no modelo democrático.

- A estratégia que eu adoptaria para a Turquia seria a de parcerias de cooperação reforçada, de forma a ajudá-la a preencher os requisitos de entrada na UE.

- Neste momento em que tudo o que são liberdades económicas estão a ser diabolizadas, nós temos obrigação de as defender. Aqueles que têm uma visão menos intervencionista do Estado, não devem ter vergonha de rejeitar essa tentativa de discurso único sobre o Estado.

- Devemos estar na primeira linha da defesa das liberdades.

- Estou um pouco comprometido com alguma Doutrina Cristã.

- Somos de uma geração que não tem complexos: não temos medo de defender o papel menos intervencionista do Estado e não temos medo ou complexo de defender a influência da doutrina cristã na política.

- Eu não tenho duvidas que o PSD está à esquerda do PPE, mas eu estou à direita do PSD.

- Sempre tive uma visão mais liberal, mas não me revejo numa ideologia conservadora.

- Não tenho nenhuma objecção ao referendo, mas também não tenho nenhuma idolatria ou obsessão.

- A adesão de Portugal à CEE devia ter sido referendada.

- O Tratado de Lisboa resolve problemas técnicos, mas não resolve muitos problemas políticos. Por isso não me choca que não haja referendo a este Tratado.

- Não acho que os Portugueses sintam que o seu maior problema foi a ausência de Referendo sobre o Tratado de Lisboa. Acho que devemos relativizar esta questão. 

- As elites adoram o discurso euroceptico.

- O modelo federal europeu é uma forma de proteger os pequenos/médios estados europeus face aos grandes estados.

- Os fundos comunitários não têm sido executados pelo Governo PS.

- O investimento público deve ser temporário, direccionado e oportuno. Não é isso que tem sucedido com o investimento do Governo.

- A integração europeia não coloca em causa a identidade portuguesa.

- Nós não queremos partidarizar a questão Durão Barroso, mas no nosso programa europeu está claramente o apoio ao Presidente da Comissão.

- Sou a favor de uma convergência fiscal na U.E.

- Sou favorável a uma força de defesa europeia. Nesta fase actual a U.E. deveria preparar uma força armada para missões de paz.

- A segurança europeia nunca pode ser pensada fora de um quadro Atlântico.

- Há uma identidade europeia. É sempre uma segunda identidade, mas não uma identidade de segunda. Os melhores exemplos disso são a eliminação das fronteiras, a moeda única e o Erasmus.

- Entendo o modelo social europeu mais do ponto de vista dos valores. É uma protecção contra os riscos sociais.

- Sou inflexível nas questões da eutanásia e aborto (em que está em causa a vida), mas não no caso dos direitos dos homosexuais. Quanto a este aspecto sou adepto de uma teoria gradualista. Devemos começar por uma terceira via equiparável ao casamento e não por soluções radicais que não reflictam o sentimento do povo português.

- Portugal pode trazer à Europa dinâmicas externas: relação com Africa, Brasil e o Magrebe.

- Podemos também ter algum papel relevante nas relações com a China (o exemplo de Macau) e a India.

- Devemos também ter parcerias bilaterais com outros países europeus. Num clube a 27 as dinâmicas bilaterais são importantes.

- João Paulo II foi um grande pensador da Europa. Condenou o comunismo mas também o capitalismo desenfreado.

- Sou contra à hostilização da Russia.

- Já existe uma Constituição Europeia, mas não escrita. A Constituição é sempre mais do que o seu texto.

- A tolerância é um valor político fundamental.

   

publicado por Francisco Proença de Carvalho às 21:50

pesquisar
 
sobre nós
Somos um grupo de jovens pró-europeus, que pretende contribuir para o avanço do projecto de integração europeia fomentando o debate de ideias sobre as grandes questões da actualidade, recordando a história da Europa.
desenvolvimento: Oceanlab
blogs SAPO