Grupo de Política Internacional

Europa das Ideias
04
Jun 09

 

As vantagens, directas e indirectas, de que Portugal usufrui devido ao cargo e ao desempenho de Durão Barroso (sem sacrificar o carácter supranacional da função) são óbvias, conhecidas e só não as vê quem não quer. A título de exemplo:
a)     o processo de negociações do quadro comunitário de apoios 2007-13 (atenção, vem aí o início da negociação do próximo…);
b)     o efeito “spillover” na colocação de outros portugueses em lugares-chave das instituições europeias (a nomeação de João Vale de Almeida como director-geral de relações externas é apenas o caso mais recente);
c)      informação privilegiada;
d)     prestígio, visibilidade, acesso e capacidade de influência acrescida para Portugal em termos europeus e internacionais;
e)     apoio imprescindível ao sucesso da Presidência portuguesa da UE em 2007 – Cimeira UE-África, Cimeira UE-Brasil, critérios de distribuição de fundos da PAC, empenho na valorização dos assuntos ligados ao mar no quadro europeu; etc.
 
Defender um português para Presidente da Comissão Europeia não é provincianismo, como alguns atiram. Não o defender é que é ignorância, ingenuidade ou insensatez.
publicado por Bartolomeu Perestrelo às 20:02

pesquisar
 
sobre nós
Somos um grupo de jovens pró-europeus, que pretende contribuir para o avanço do projecto de integração europeia fomentando o debate de ideias sobre as grandes questões da actualidade, recordando a história da Europa.
desenvolvimento: Oceanlab
blogs SAPO